Prisão de ventre: saiba mais sobre esse mal tão comum entre as mulheres!

Para mulheres e idosos, a constipação pode ser significativa o suficiente para levá-los a procurar atendimento médico. É uma das queixas gastrointestinais mais comuns e estima-se que pelo menos 4,5 milhões de pessoas, dois terços delas mulheres, sofrem de constipação que é frequente e problemática o suficiente para exigir atenção médica.

Devido à maior incidência em mulheres, os profissionais de saúde especializados em saúde da mulher desempenham um papel fundamental na avaliação e tratamento da constipação. Embora seja um problema aparentemente simples, indivíduos com constipação crônica, novo início de constipação ou constipação grave podem ter uma ampla gama de causas possíveis que requerem avaliação, diagnóstico, tratamento e, às vezes, encaminhamento. Para aumentar a complexidade potencial, uma etiologia específica não é encontrada em pelo menos metade dos casos.

Devido à prevalência de constipação nas mulheres e no envelhecimento, os médicos precisam entender a fisiologia, a avaliação e o conjunto de abordagens terapêuticas para poder tratar adequadamente essa condição.

O que é prisão de ventre?

A primeira linha de informação são as percepções subjetivas do paciente. Existem alguns critérios objetivos que são úteis e necessários para definir a constipação como uma entidade clínica. Atualmente, existe um padrão de dois ou mais dos seguintes sintomas que um indivíduo experimenta por 3 ou mais meses sem o uso de laxantes:

Quantas pessoas sofrem com a prisão intestinal?

Todos os estudos parecem concordar que significativamente mais mulheres do que homens relatam constipação e que a prevalência aumenta com a idade. A constipação era três vezes mais comum em mulheres e, após os 65 anos, era de 8% nas mulheres e 4% nos homens. Há uma incidência mais alta de 12,8% na população em geral, com uma proporção de mulheres para homens superior a 2 a 1 (18,2% vs 7%). Para homens e mulheres com mais de 60 anos, a constipação afeta 25,3%

As mulheres grávidas frequentemente têm problemas com constipação, com 38% sofrendo com a maioria dos problemas ocorrendo no terceiro trimestre e persistindo por vários meses. A gravidez e o parto vaginal também podem ter efeitos adversos duradouros na função intestinal, enfraquecendo os músculos do assoalho pélvico.

Prisão de ventre

A prisão de ventre afeta muitas mulheres, e entender as causas pode ajudar na cura do problema. (Foto: Rusha Modi MD, MPH)

Quais as causas da constipação?

A maioria dos casos de constipação resulta de nenhuma causa específica identificável (idiopática). Isso é descrito como constipação primária e é dividido em dois tipos de atraso no trânsito e obstrução da saída associados a algum tipo de disfunção anorretal. Os sintomas típicos relatados pelo paciente são dor ou esforço durante a defecação.

A constipação secundária ocorre devido a problemas alimentares, falta de exercício, falta de ingestão de água suficiente, abuso de laxantes, medicamentos, cirurgias ou outras causas.

A maioria dos casos de constipação é idiopática e não envolve distúrbios graves.

Diagnóstico da prisão de ventre

Em uma entrevista e histórico médico, é importante que o clínico obtenha informações claras sobre a frequência intestinal, consistência e tamanho das fezes, presença de sangue ou muco, esforço, dor, inchaço, dieta, exercício, medicação, suplementos, laxantes ou enemas, estressores de vida recentes e uma boa revisão de sistemas para reconhecer indicações de outros problemas mais sistêmicos. O exame físico envolverá o reconhecimento de pistas para distúrbios metabólicos e endócrinos, exame retal digital, exame abdominal e pélvico e exame neurológico.

Os exames laboratoriais podem incluir hemograma completo, eletrólitos séricos e glicose, cálcio sérico e hormônio estimulador da tireoide. Testes mais especializados precisam ser feitos nos casos em que há suspeita de algo mais sério. Esses testes podem incluir fezes ocultas, sigmoidoscopia ou colonoscopia, radiografia abdominal, estudos de bário, estudos de tempo de trânsito, estudos de função anorretal e outros testes mais especializados para descartar as inúmeras doenças que podem ser uma causa subjacente.

A maioria dos médicos concorda que a alta incidência de constipação no Brasil se correlaciona com dietas com pouca fibra, baixa ingestão de líquidos e sedentatismo. Se isso resolverá ou não a constipação, é fundamental começar aqui quando não houver evidências de algo mais sério.

Para obter mais informações sobre uma abordagem terapêutica para constipação, faça o download do nosso guia de recursos.

Como a constipação afeta mais as mulheres do que os homens, preocupa especialmente aqueles que prestam cuidados primários de saúde às mulheres. A maioria das mulheres precisará apenas de tranquilidade, educação e conselhos básicos. Outros precisarão de avaliação adicional e / ou intervenções de tratamento mais sofisticadas, sejam métodos exclusivamente naturais, métodos convencionais ou uma integração de ambos. Os objetivos são garantir que eles não tenham uma causa subjacente significativa, fornecer alívio, melhorar a saúde geral, fornecer estratégias de prevenção para o futuro e realizar essas coisas com efeitos colaterais mínimos.

Já teve problemas com prisão de ventre? Como foi o tratamento?

Deixe um comentário